Aprendamos Comunicação com O Rei Leão: Deves tomar o seu papel no ciclo da vida

Caio Ferracina

Aprendamos Comunicação com O Rei Leão: Deves tomar o seu papel no ciclo da vida

Assistir O Rei Leão era uma obrigação para um apaixonado por cinema, desenhos, estúdios Disney (lembra, né?), trilhas sonoras como eu. Mas por que não aproveitar esse meu momento de transição de trabalho na carreira e deixar um recado para os comunicadores?

Calma! Vou fugir do clichê do Hakuna Matata… Mas não vou fazer um grande preâmbulo das minhas conexões dessa semana. Vou direto ao ponto: você se sente na zona de conforto na Comunicação? Aprenda com a Disney e O Rei Leão.

(esse artigo foi escrito ao som da trilha de The Lion King).

“Mudar é bom”

https://www.youtube.com/watch?v=ef6PpwB3WqE

Longe de mim querer ser o mestre Rafiki. Ainda estou mais como Simba, Timão e Pumba procurando meus insetos “viscosos, mas gostosos” na natureza da Comunicação; mas quem está nessa natureza sabe que muitas vezes vivemos na zona de conforto. Sabe aqueles comunicados que SÓ VOCÊ pode escrever, ou aquela Intranet que SÓ VOCÊ pode atualizar? Sacou, né? Aprenda com o passado e vá em busca da inovação e de como se reinventar.

Quer um exemplo? Você tem um produto reconhecido, premiado, com bilheterias bilionárias e uma das maiores da história depois de 25 anos. Por que raios você vai mexer em um time que já ganhou? Por que você vai correr riscos de transformar a animação desenhada à mão com maior público de todos os tempos em um novo produto? Como garantir que você vai fazer um leão, uma hiena, um suricato em 3D que não decepcione os fãs?

Você pode ser inovador mesmo com produtos já consagrados

E você aí achando que mudar a Newsletter, migrar para o Mobile, trocar a TV Corporativa, implantar uma rede social ou rever a linguagem dos seus comunicados é arriscado? É mesmo! “Para conseguir o que quer, você deve olhar além do que vê”. Aprender com essa obra prima cultural é até mais gostoso do que aprender com erros, problemas, falta de investimento ou reconhecimento, amigos. Mufasa nos diz desde 1994 e nós não aplicamos em sua plenitude na nossa profissão: “A vida é um ciclo sem fim…”.

Quer dizer que sou radical, o “diferentão” que não acredita mais nos canais de Comunicação nas empresas e que quer sair “matando” boas práticas há anos comprovadamente eficientes? Se fosse isso, merecia nesse momento estar fora do mercado! O quero passar aqui como mensagem é que as pessoas nas empresas são mais que nosso público (isso ficou em 1994…). Elas são nossas aliadas, nossas parceiras, nossas geradoras de conteúdo que clamam por inovação, facilidade, agilidade, novas formas de se relacionar com as empresas e experiência de trabalho edificantes. E por que a gente vai ficar com aquela fita VHS verde ainda rodando em nossas TVs de tubo? A gente a ama e sem ela o sucesso de O Rei Leão não seria o mesmo…

Vou dar um exemplo emblemático: um dos maiores turning points para que O Rei Leão, lá na década de 90, fosse mais reconhecido durante sua concepção e produção foi a trilha sonora. Todos na Disney só tinham olhos para Pocahontas e achavam uma história bonitinha do leãozinho. Até que um tecladista de uma banda progressista dos Anos 80 tornou-se o cara da trilha. Chamava-se Hans Zimmer (hoje o segundo compositor de trilha sonoras para filmes mais premiado da história – 110 prêmios e 178 indicações na carreira). Para transportar cada criança e cada adulto para a África com suas canções, esse time perfeito e talentoso ainda tinha Tim Rice e Sir Elton John para pensarem em letras, como “Can You Feel the Love Tonight” (que venceu o Oscar de Melhor Canção Original) e “Circle of Life”, e um grupo de cantores africanos que conheceu em uma viagem ao continente.

E onde quero chegar com o exemplo? Para a releitura de 2019, como atualizar a obra sem perder a identificação com os fãs e sem mexer com a memória afetiva de ninguém? Zimmer não só revitalizou canções, como reforçou o time com ninguém menos que Pharrel Williams e Beyoncé, que inclusive participaram com novas músicas nessa produção com nova roupagem.

Entende onde eu quero chegar? Seu canal de Comunicação ou seu produto carro-chefe são adorados e funcionam bem? Bom para você. Mas não pode ser melhor? Não pode ser atualizado para se conectar com as pessoas, se renovar para uma transformação na sua empresa? Quem é o Pharrel que trabalha com você ou que está no mercado como parceiro, que pode te ajudar? Quem são os maiores “fãs” do seu produto no dia a dia no trabalho? Ou você acha que a Disney não conversou com ninguém e resolveu gastar milhões de dólares com esse live-action? Eu mesmo para escrever essa brincadeira aqui, falei com os dois maiores fãs que conheço de O Rei Leão: meus amigos Renata Cavalcante, que inclusive também trabalha com Comunicação, e Ricardo Costa, um apaixonado por produção musical.

Mas os caras da Disney usaram até Inteligência Artificial… O que eu faço?

Não vou me estender aqui, falando sobre como os diretores do filme reproduziram a savana africana com óculos de realidade virtual usando inteligência artificial ou como os animadores se basearam em comportamentos de animais reais, como a pequena leoazinha Bahati, do zoológico de Dallas.

O que quero concluir dizendo é: o comunicador tem que ser sábio como Mufasa, corajoso como Simba; mas tem que saber aprender com os vilões também. “Be prepared”! É o que nos diria Scar, em meio ao seu exército de hienas. Não dá para usar inteligência artificial ou realidade virtual na Comunicação da sua empresa? Pelo amor de Walt Disney, não é essa mensagem que quero deixar…

Scar é o melhor leitor de cenários e contexto dessa linda história. Mais que o sábio Rei Leão! Ou seja, saiba com quem se conectar, leia os cenários e essa costura de inovações, de iniciativas que vão empurrando sua companhia para o caminho da disrupção e prosperidade serão um caminho tão prazeroso e cheio de reconhecimentos, que a zona de conforto vai lá para o cemitério dos elefantes.

Agora, se der para bater um papinho com alguém sobre inteligência artificial, por que não??..hehehe

E como em cada filme da Disney, temos mensagens para refletir! Hoje finalizo meu artigo com algo diferente para refletirmos para a vida, além da Comunicação mas também para ela e para esse mercado… E essa frase é de uma fã de O Rei Leão, daquelas que completam as falas dos personagens do seu sofá ou da poltrona do cinema:

“Acho que a maior lição, o que me pega mais quando penso em O Rei Leão, é que todos no mundo estamos ligados de alguma forma. Não necessariamente pelos mesmos laços dos bichos, mas essa coisa de que a gente tem que respeitar o convívio em sociedade para o mundo ser um lugar bacana” – Renata Cavalcante, jornalista e especialista em Comunicação

Sobre o Autor
Caio Ferracina tem mais de 12 anos de experiência em Comunicação Interna, com passagem por C&A e Grupo Santander. Formado em Jornalismo (Cásper Líbero) com Pós Graduação em Administração de Empresas (FAAP - SP), é especialista em conteúdo e adequação de linguagem para canais e atua na gestão e execução de soluções estratégicas co-construídas para projetos e materiais com foco em cultura, engajamento, diversidade, sustentabilidade e marca.
Contato

Entre em contato, em breve retornaremos!